Estou de passagem neste mundo,

Mas deixo aqui o registro de minhas palavras.

Eu sou o peregrino do tempo.


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Gritos na trovoada


Eu ouvi o trovão e não tremi.

Ouvi o trovão e ele me chamou.

O trovão arrebenta meteoros e muros.

Ouvi o trovão e não tremi.

Peguei em armas e encarei a chuva.

Este é o ano da tempestade,

E eu sou o trovão.

2 comentários:

Karina souza disse...

Simples e bonito!
nem sempre o complexo e elaborado, consegue alcançar beleza.

parabens!

Ysatis, Kizzy disse...

Obrigado, Karina.
Quando escrevemos exatamente o que queriamos dizer, sai mais natural.