Estou de passagem neste mundo,

Mas deixo aqui o registro de minhas palavras.

Eu sou o peregrino do tempo.


sábado, 27 de dezembro de 2008


Existem duas formas de se lidar com as pessoas. Uma é bajulando, a outra é sendo franco. Na maioria dos casos, a bajulação tem maior êxito porque conquista a simpatia de imediato. Não é o mesmo caso da franqueza. O franco gera antipatia e costuma ser mal-interpretado, torna-se o vilão e quase sempre é rechaçado de seu grupo social. Contudo, com o passar do tempo, o bajulador começa a magoar porque são poucos os que conseguem mentir o tempo todo, nesse caso, o franco ganha ponto, porque, no decorrer da jornada, a maioria se acostuma e já sabe o que esperar. Sem surpresas negativas, não há mágoa. O ato de bajular é utilizado por aqueles que têm interesse latente no alvo, seja amoroso ou financeiro. Eu optei pela franqueza. As reações sintomáticas provêm do inconsciente. O ser humano é meu objeto de estudo.


Kizzy Ysatis

São Paulo, 21 de dezembro de 2008

11 comentários:

Anônimo disse...

Oi delicia!!!
Não fica assim não... estarei chegando pra te bajular todinho!!
Beijos
L.Keler

Tutu disse...

muito bom o post kizzy
adorei o que vc escreveu
inteligente demais
abs do tutu

Andréa Cisne disse...

Oi Kizzy, gostei muito do seu texto, gostaria de saber se você me autorizaria a colocá-lo no meu site, com os devidos crédios à você?

Pois acho muito legal poder mostrar isso as pessoas, principalmente aos amigos que costumam visitar o meu site.
aguardo resposta
bjs!

Kizzy Ysatis disse...

Leo

Oi Delícia
Vou ficar te aguardando.

beijos
...............
Tutuzinho

Que bom que gostou, quer dizer que concorda com meu pensamento.

abs
.............
Andréa

Fique à vontade.
Quando publicar, me manda o link pra eu ver.

bjs

Luciana Fátima disse...

O grandioso Nelson Rodrigues já dizia "A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose. Os admiradores corrompem."

Wonderful!!

Siegrfried disse...

Maravilhoso seu blog cara.
Linguagem bem estruturada, e ainda por cima autor de livros?
Que maravilha!
Vou procurar seus livros numa livraria daqui de Cotia para comprar.
Me interesso por literatura vampírica.
Maravilhoso!!!

Má Caldas disse...

Olá, seu livro Diário da Sibila Rubra é ótimo! Estou louca pra comprar Clube dos Imortais, uma pena ter começado ao contrário.
Você vai escrever continuações?
Em relação ao seu texto, tem razão, o mundo hoje está terrível, quase não há pessoas de bom coração almejando pelo bem das pessoas.
beijos :*

Anônimo disse...

Oi, amigo, que bueno el texto, estoy totalmente de acuerdo con tu pensamiento. Quiero desearte 1 magnífico año nuevo 2009 lleno de salud, trabajo, amor, amistad e ilusiones. No te olvides de tus amigos de Galicia. Un beso y un abrazo con mucho cariño. MARTA SEREIA

Anônimo disse...

Moreco doce!
Ahh eu tb não nasci com o dom da bajulação. Ou se "ganha" algo por mérito ou nem precisa me dar nada, não é mesmo?! Puxas saco, babar ovo, de que adianta se no final nada é sincero. Infelizmente, nós, os sinceros, de ferram muito pela má interpretação! Apelemos então para a nossa liberdade de expressão! (me entendeu?)
Beijos moreco
By Lizy Tequila

Kizzy Ysatis disse...

Lu

Boa frase essa do Nelson.

darkisses
.............

Siegrfried

Fico felicíssimo com sua visita.
Sua satisfação é a minha.

abraços
...................

Má Caldas

Sua opinião é muito importante.
Sobre o livro, talvez você tenha começado certo.

Bjs
.........................

Martarella

Muchas gracias por tu visita. Tambien deseo a ti un felicíssimo año nuevo. Jamás me olvido de mis amigos de España, aunque no pueda demonstrarles a menudo. Quiçá un dia.
Te echo de menos.

besos
.....................

Moreco doce

A cada dia que passa, passamos mais uma fronteira da nossa amizade; e mais e mais nos revelamos sem medo.

bjs

MilaF disse...

Encrenqueira de carteirinha, me identifiquei com essa... Às vezes, é tão difícil ser franco e não ser mal-interpretado. É difícil encontrar alguém que entenda uma crítica ao seu trabalho como uma crítica ao seu trabalho e não à sua pessoa. "Ah, você não gostou do meu livro, então eu também não vou gostar do seu, tá?!" Também sou vulnerável, também me magoo, também perco o bom humor. Mas tento ir pela lógica. E diante de quem não tenta, às vezes é mais prático calar. De que adianta gastar seu verbo criticando alguém que não saberá fazer uso da sua crítica? ;-)