Estou de passagem neste mundo,

Mas deixo aqui o registro de minhas palavras.

Eu sou o peregrino do tempo.


quinta-feira, 3 de setembro de 2009


RESENHA

KAORI – Perfume de Vampira

Um choque de culturas, combinação de estilos num caldo japonês de terror, humor, erotismo, ação e beleza no romance que promete ser uma das principais referências da literatura do gênero no Brasil.

Por Kizzy Ysatis

Há anos, a escritora Giulia Moon vem mantendo as livrarias enriquecidas com boas histórias de terror. Sejam com vampiros ou não. As capas de suas obras, carregadas em vermelho, fizeram com que eu sempre a chamasse de A Dama Rubra do Terror. Giulia contava pela WEB, e seus contos se destacaram a ponto de publicá-los finalmente em papel. Daí tivemos Luar de Vampiros, Vampiros no Espelho & Outros Seres Obscuros e A Dama Morcega. Todos livros de ótimos contos. Contos que também pudemos conferir nas antologias Amor Vampiro e, mais recentemente, no Território V. Temos duas novidades na nova publicação de Giulia: primeira, ela retoma suas raízes japonesas; e, segunda, ela estréia seu primeiro romance: KAORI, Perfume de Vampira (Giz Editorial, 2009).

O livro narra a trajetória de Kaori, uma adolescente cuja beleza, estonteante, só não provoca mais que seu perfume, próprio-cativante. E está justamente aí o significado de Kaori: fragrância, traduzido do original em Japonês. No Japão do período Tokugawa, o fascínio de Kaori apetece uma cortesã, a poderosa e terrível, Missora, okami-san (proprietária) do Kinjurô, que pretende transformar a garota na atração máxima de sua casa de prazeres. Paralelamente, na agitada São Paulo de nossos dias, temos as desventuras de Samuel Jouza (sim, com “J”), um vampwatcher (observador de vampiros) que trabalha para o IBEFF, Instituto Brasileiro de Estudo de Fenômenos Fantásticos (uma espécie de Talamasca tupiniquim) e que cai em desgraça ao se meter entre um nosferatu e seu alimento. Samuel tem uma profissão perigosíssima e precisava manter-se longe de olhos imortais e hematófagos, mas não é bem assim que as coisas acontecem nas histórias de Giulia Moon.

Esse é só o ponto de partida desse livro que está mais para uma montanha russa, cheia de curvas e reviravoltas, enriquecendo os curiosos com os significados dos termos e objetos japoneses citados no livro. Outro ponto alto são as criaturas mitológicas do folclore japonês, aqui repaginadas pela autora à moda Gaiman. Não parando por aí, a senhorita Moon cria suas próprias criaturas, os Famélicos, esses são de dar medo. São cães, grandes e escuros, que vivem das sobras deixadas pelos vampiros, longe de ser confundidos por lobisomens, são párias parasitas fantasmagóricos de rosto comum metidos em andrajos. Uma negra gorda, catadora de latinhas a virar uma esquina, sai de lá na forma do cachorrão, mas ninguém é capaz de notar, é bem Fantasia Urbana, que, como ouvi do Eric Novello, além do espanto que causa, tem boa nota de humor, em algumas cenas, ao menos nessas que se passam na urbe jesuíta; tirando as cenas dos pavorosos famélicos, claro, nessas não há nada de engraçado. Nos famélicos residem as cenas mais assustadoras. Terror, terror, terror.

No estilo, mora mais um truque usado por Giulia, esta danada. Para separar o clima e o tempo entre as tramas, ela desenvolveu um estilo singular para cada uma das partes, partes estas que nos são apresentadas em sequência, o livro não está dividido ao meio com duas partes distintas, ele é misturado. Um pé no Brasil, outro no Japão. Mas antes que eu fuja demais ao que dizia, voltemos ao estilo que distingue as cores narrativas. No Japão a narrativa é cinza, melancólica, arrastada, tensa. Muito tensa. Até nas lutas samurais. O suspense na parte do Japão sombrio nos embala a ponto de querer pular as partes de São Paulo para saber o que vai acontecer. Mas não façam isso, ele foi feito para ser lido desse jeito, é só ler o primeiro parágrafo da parte paulistana para lembrar que também foi abandonado num momento de tensão no capitulo anterior. Sim, na parte contemporânea também há o suspense, mas também há o colorido: o vampiro gay e estiloso, o vampiro burro e brutamontes, a mocinha em perigo, o mordomo afetado, entre outros personagens. A agitação fica por conta da rave celebrada na estação abandonada do metrô, intitulada Bloody Station. Na parte moderna da trama, a ação ininterrupta, como disse antes, tem aquela pitada de humor, mas vale lembrar que este humor está na dose certa, no final quase vaza, mas é isso que faz de Kaori, um desses livros que a gente nunca esquece. Agridoce, como alguns pratos orientais, e que deixa, ao final, um gostinho de quero mais.

ÀS 19:30 DE HOJE (03 DE SETEMBRO), NA LIVRARIA SARAIVA DO SHOPPING PÁTIO PAULISTA, VOCÊ TEM UM ENCONTRO COM KAORI. NÃO PERCA A NOITE DE AUTÓGRAFOS, EU ESTAREI LÁ.

Kaori, perfume de vampira
Giulia Moon
Giz Editorial
371 páginas
R$ 39,90
COMPRE AQUI

11 comentários:

Leonardo Adriano Ragacini disse...

Kaori Kaori Kaori

Giulia Moon disse...

Obrigada por tudo, meu amigo querido.
Pela inspiração e pela ótima companhia nos caminhos da vida.

Beigius carinhosos

Lica disse...

Quero muito ler Kaori , contato as horas pra te-los em minhas mãos , nçao mais que o Leo mais enfim hauaa.
Toda vez que sei de mais detalhes, mais quero entrar no mundo que Giulia Moon constriui.
Parabéns!!!
Bjokas
Lica

Raphael O Lord disse...

Nossa! Muito bom a prévia!!!
Já estou curioso para ler a obra, tenho certeza que é nota 10!
Sucesso pra você Giulia!

Dany disse...

Já estou lendo e realmente é maravilhoso!!!

Stefano disse...

Oi,Kizzy!! Que absurda a violencia na boate!!! Espero que os covardes sejam punidos!

Andréa disse...

Oi Kizzy!! Li este livro e estou adorando!
Fiquei sabendo da violência que fizeram contra vc e a Liz e fiquei muito indignada, realmente todos estamos passíveis a tal coisa, visto que infelizmente existem lugares que não empregam pessoal especializado, apenas brutamenontes que só sabem resolver as coisas na porrada.
Estamos aqui rezando por vc, pela sua melhora.
Fique bem meu querido e melhore logo.
bjs!

Ademir Pascale disse...

É lamentável, fiquei muito triste com a notícia. Já tive experiências semelhantes com duas pessoas da minha família e conheço bem de perto a lastimável brutalidade de algumas pessoas que se dizem seres humanos, mas que na realidade não sabem nem o significado destas duas palavras. A justiça no Brasil é falha e se não lutarmos constantemente pelos nossos direitos como cidadãos, tudo acaba no esquecimento. Mas existe uma força maior que nos observa, castiga e retribui. Meus sinceros votos de melhoras ao escritor Kizzy Ysatis.

Leonardo disse...

Adorei o livro e foram horas deliciosas de leitura...me deixou muito excitado com todo o perfume e aventuras, lembranças das nossas andanças...
Beijos
Leo

Leonardo disse...

Adorei o livro e foram horas deliciosas de leitura...me deixou muito excitado com todo o perfume e aventuras, lembranças das nossas andanças...
Beijos
Leo

Srt. Leela disse...

Senhor escritor eu voz digo: Tu és desta decada o melhor contador de histórias do qual eu já me deliciei, antes de somente Ligia Fagundes Telles, és o meu favorito acabo nesta manhã de ler O Diário da Sibila Rubra oque me fez ter certeza do grande genio q tu és!
Meus parabens e minhas bençãos como bruxa!