Estou de passagem neste mundo,

Mas deixo aqui o registro de minhas palavras.

Eu sou o peregrino do tempo.


quarta-feira, 5 de maio de 2010


Roma, 1630.
O gênio francês da pintura, Nicolas Poussin, recebe em seu ateliê um homem misterioso, cujo objetivo é narrar a história de uma guerra que remonta o princípio dos tempos e culmina no século XIV na Idade Média.

“Há uma tríade de personagens e a cada um cabe uma origem, uma existência e um fim. Porém há apenas um começo”.

Idade Média.
Em Paris, um anjo em prol de um plano antigo aconselha o ganancioso rei, Felipe, o Belo. Em Sardes, uma misteriosa batalha confirma a suspeita de que uma conspiração se levanta contra a venerável Ordem dos Cavaleiros Templários, colocando em risco a segurança de um segredo milenar. Na Perúgia, um vampiro desperta faminto de seu túmulo e ataca membros da poderosa Igreja Católica.

“Não vejo que relação pode haver entre anjos caídos, um templário e um vampiro!”

Na Cidade Alta.
Uma guerra, em outro mundo, em outra época, dá origem à peça-chave do que virá a se tornar um dos maiores quebra-cabeças que a humanidade já conheceu.

“Cabe a quem está contando, tornar relações implausíveis em histórias verossímeis. E a quem ouve, manter o espírito livre”.

Prepare-se! Quando A Tríade se reunir, o eixo será liberado. E o destino do mundo poderá estar nas mãos do Anjo, do Templário, do Vampiro... ou daquele que o encontrar primeiro.

“Não tema nada, a morte é o destino do homem”.

2 comentários:

Luciana Fátima disse...

"A morte é o destino do homem..."

Talvez seja por isso que ela é tão fascinante!!!



Estou tão curiosa por este livro......!!!

Simone disse...

Muito me agradou a já visível profundidade da pesquisa e do intrincamento criado para que tal enredo fosse possível. Você sempre será para mim um ídolo a ser admirado Marquês de Isatis. Beijos e muito, muito sucesso. (Serei uma das primeiras a adquirir um exemplar!)