Estou de passagem neste mundo,

Mas deixo aqui o registro de minhas palavras.

Eu sou o peregrino do tempo.


quinta-feira, 29 de novembro de 2007





Clube dos Imortais




Vi hoje essa ilustre mulher na TV cultura, numa entrevista especial para o meu programa predileto Entre Linhas, que passa toda quinta. Imortal nas idéias e nas convicções. A venerável senhora, no alto de seus 84 anos de vida e décadas de presença na palavra escrita, declara estar em paz com a própria guerra. Revelou como uma Sibila, que há três coisas em processo de extinção rápida: o índio, a árvore e o escritor. Depois recolocou uma delas, disse que a terceira coisa, na verdade, não era o escritor e sim o leitor. Onde estará o leitor?

Ao final nos deixou com esse poema de Sebastião da Gama, que a mim mais parece uma prece para as manhãs grises. Algo que eu tatuaria no antebraço para me obrigar a ler todos os dias como bálsamo para a dificuldade crônica que insurge no caminho. Que simpática é a senhora Lygia Fagundes Telles.

Pelo sonho é que vamos,



comovidos e mudos.



Chegamos? Não chegamos?



Haja ou não haja frutos,



pelo sonho é que vamos.



Basta a fé no que temos.



Basta a esperança naquilo



que talvez não teremos.



Basta que a alma demos,



com a mesma alegria,



ao que desconhecemos



e ao que é do dia a dia.



Chegamos? Não chegamos?



- Partimos. Vamos. Somos.



Sebastião da Gama - Pelo sonho é que vamos

Um comentário:

Claudio Brites disse...

delicia de matéria essa sua... e maravilhoso esse poema!