Estou de passagem neste mundo,

Mas deixo aqui o registro de minhas palavras.

Eu sou o peregrino do tempo.


quarta-feira, 30 de abril de 2008

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Reportagem aborda nova geração de escritores santistas.

A matéria foi publicada ontem no Jornal da Orla e pode ser vista no site. Acesse o link:

http://www.jornaldaorla.com.br/noticias_integra.asp?cd_noticia=2193

sexta-feira, 25 de abril de 2008

DIÁRIO DA SIBILA RUBRA
.

Uma casa. E nesta casa a força de todas as mulheres do mundo. Uma casa grande, escurecida pela umidade. Tão velha e silenciosa que até parece mal assombrada. O que será que há dentro dela? Por esta casa já andaram boas mulheres, mulheres corruptas e mulheres que foram ou tiveram de ser essas duas coisas. Oh, casa calada que reverbera histórias que ninguém escuta; testemunhos que vagam por ti, nobre casa, gravados no papel de parede. Seus móveis são como ecos virgens de imagens vividas e desenhadas sobre o manto de tal poeira. Seu cheiro manso e por vezes arredio escorre pelos tecidos e reflete em sua textura a consumação dos dias mortos.


terça-feira, 22 de abril de 2008



kizzy ysatis

Foto recente.

Eu, a mãe da noiva e Alessandra.

Casamento da amiga Cátia.

"Procuro aquilo que todo homem procura: paz e tranqüilidade."

.

Dante Alighieri

segunda-feira, 21 de abril de 2008


.

.
.
.
.
.
.
.









.

"É em nosso ócio, nos nossos sonhos, que a verdade submerge, às vezes vem à tona. "

.

Virginia Woolf



kizzy ysatis 2008

domingo, 20 de abril de 2008



Meu nome é Kizzy Ysatis. Nasci em Santos. Sou um autor boêmio e solitário. Devoro livros desde a infância. Minhas maiores influências são Oscar Wilde, Clarice Lispector, Ana Maria Machado, Virginia Woolf, Gabriel Garcia Marques, Álvares de Azevedo, Goethe, Balzac e Rimbaud. Também saboreio e bebo do cinema como fonte de inspiração. Aprecio o trabalho de Woody Allen e M. Night Shyamalan. Tenho um gosto musical eclético, mas se sobressaem o bom e velho rock, gótico e anos 80 em geral. Estudei produção editorial na Universidade Anhembi Morumbi. Morei na Espanha. Já fiz quadrinhos e teatro também, estava sempre em busca da minha voz e de um jeito novo de contar as histórias. E toda minha vida contribuiu para isso: a morte brusca da minha mãe na adolescência; a luta do meu pai contra o alcoolismo; as dificuldades financeiras; o crescer em várias cidades; enfim, minhas idas e vindas com a tribo gótica nos cemitérios da cidade deram o clima soturno que acompanha minhas narrativas (aliás, meu visual capa-cartola-coturno herdo desse gosto que caminha comigo desde então), mas se não houvesse o prazer da leitura, o amor pelos livros, talvez jamais ensaiasse escrever. Esse amor por literatura talvez tenha acontecido através dos constantes livros que ganho de minha irmã desde pequeno. Ela me presenteava (e presenteia até hoje). Livros de mistério, eu os adorava. Os devorava. Depois, livros de todo o tipo. Já não tinha preguiça de ler porque vivia com um gibi na mão. Minha mãe, estudiosa das artes ocultas, astrologia e oráculos, com sua personalidade ora corajosa e vivaz, ora melancólica e noturna, foi o paradoxo perfeito que me inspirou a compor alguns de meus futuros personagens. E foi através da construção das personagens que encontrei o molho das minhas histórias. Gosto de perfurar e raspar segredos nos mais escuros cômodos das mentes de minhas personagens.

terça-feira, 15 de abril de 2008



CAPA 1


CAPA 2

QUAL DELAS?
DIÁRIO DA SIBILA RUBRA
O Retorno das Bruxas
.
Caros amigos. Na última hora escolhi esta imagem para a capa, mas ainda não sabemos se será a capa oficial. A simbologia desta é mais forte. A começar pelo nome: Sybilla Palmifera. Obra de Dante Gabriel Rosseti. Os pintores pré-rafaelitas retratavam, com excelência, mulheres pálidas e ruivas, mas o que mais chamou-me a atenção foram os símbolos. O livro tem como temas principais a morte, o amor e o mistério. Vemos notas desses temas na pintura: amor (cupido), morte (caveira) e mistério (esfinge). E ainda há as mariposas.
.
VISITE O PORTAL CRANIK DE CINEMA E CULTURA E SAIBA DAS ÚLTIMAS NOVIDADES
.
.
Até a próxima!

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Kizzy e Lua Ysatis
.
"This is Major Tom to ground control. I'm stepping through the door, and I'm floating in the most peculiar way, and the stars look very different today"
.
David Bowie

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Kizzy Ysatis am abril de 2008. Tenho escrito mais do que ando escrevendo e devia escrever mais do que escrevo. Fico meses rabiscando um capítulo no rascunho. Leva tempo (às vezes anos) para que eu conclua um livro. Uma história completa com começo, meio e fim; que eu construa as personagens e aos poucos as faça conhecer; que eu revele segredos perturbadores; que eu espalhe pistas para novos mistérios; que eu dispa a privacidade alheia excitando sempre que possível; que eu transmita, sem enfado, cada sentimento mudo ou barulhento; que eu adiante (sem estragar surpresas) as coisas miraculosas que se manifestarão naquelas páginas; e que eu conclua, mais de uma vez se preciso for e com maestria, tapando cada frasco aberto durante a feitura do enredo, no caldeirão de cenas que chamamos de romance.




terça-feira, 8 de abril de 2008



Balmoral


Balmoral: elegantes charutos caribenhos fabricados na Republica Dominicana desde 1895. Um sabor delicado que sugere madeira, noz e café. Hechos a mano. Selo de garantia na caixa lacrada.
.
Os puros pertenciam a um velho que colecionava coisas caras e de bom gosto, mas ele mesmo não as usufruía. As mantinha para exibir status. Avarento, nunca ajudou ninguém: nem parente ou estranhos. Nenhum desses jovens artistas emergentes que sempre penam pela falta de dinheiro. Pobres poetas, escritores, atores. Pintores pobres.
.
Um casal caminhava à noite quando foi abordado pelo vendedor desesperado por outra pedra de crack. “Comprem que a mercadoria é legítima”. O casal vinha do trabalho. Moravam juntos. Um deles era proprietário de salão de beleza. O outro, seu funcionário, disse: “Olha isso. Lembrei do teu primo. Acho que vou comprar para ele”. “Cinco pilas e é teu”. “Toma! Se tivesse mais quinze, comprava esse dourado rolex”.
.
O velho sofreu amaldiçoada vendeta de um artista fracassado. Caiu sem direito à voz de atenuante outorgada, vítima da sociedade suja que ajudou a criar. Um garoto doente pelo vício, filho de um daqueles jovens que outrora bateram na porta do velho, invadiu o faustoso apartamento e o assassinou à pancadas. Golpes ferozes na cabeça com pesado cinzeiro de vidro.
.
Não se discute moral neste texto. Tampouco quem tinha direito ou quem foi politicamente incorreto. É apenas uma história e histórias devem ser contadas. Esta se sabe fictícia; não se diz real ou quiçá narrada pelo fantasma do injusto velho injustiçado, num relato sobrenatural. O fato é que ela me veio desenhada na fumaça, enquanto fumava no alto da escada, em meu quintal, entretido com o saboroso – Balmoral.
.

Kizzy Ysatis
São Paulo, 08 de abril de 2008 – 01h43 am